“Arranca metade do meu corpo, do meu coração, dos meus sonhos. Tira um pedaço de mim, qualquer coisa que me desfaça. Me recria, porque eu não suporto mais pertencer a tudo, mas não caber em lugar algum.”

José Saramago.  

(Source: 4lcohol)

--- 1 week ago --- 3,505 notes ---

marcus schenkenberg for joop! s/s 1998
marcus schenkenberg for joop! s/s 1998

(Source: y2kb2k)

--- 1 week ago --- 8,862 notes ---

Sean Mundy
Elude, 2014

Sean Mundy

Elude, 2014

(Source: sloppy)

--- 1 week ago --- 14,288 notes ---

O dia em que Júpiter encontrou Saturno
Foi a primeira pessoa que viu quando entrou. Tão bonito que ela baixou os olhos, sem querer querendo que ele também a tivesse visto. Deram-lhe um copo de plástico com vodka, gelo e uma casquinha de limão. Ela triturou a casquinha entre os dentes, mexendo o gelo com a ponta do indicador, sem beber. Com a movimentação dos outros, levantando o tempo todo para dançar rocks barulhentos ou afundar nos quartos onde rolavam carreiras e baseados, devagarinho conquistou uma cadeira de junco junto a janela. A noite clara lá fora estendida sobre Henrique Schaumann, a avenida poncho & conga, riu sozinha. Ria sozinha quase o tempo todo, uma moça magra querendo controlar a própria loucura, discretamente infeliz. Molhou os lábios na vodka tomando coragem de olhar para ele, um moço queimado de sol e calças brancas com a barra descosturada. Baixou outra vez os olhos, embora morena também, e suspirou soltando os ombros, coluna amoldando-se ao junco da cadeira. Só porque era sábado e não ficaria, desta vez não, parada entre o som, a televisão e o livro, atenta ao telefone silencioso. Sorriu olhando em volta, muito bem, parabéns, aqui estamos.


Não que estivesse triste, só não sentia mais nada.

Levemente, para não chamar atenção de ninguém, girou o busto sobre a cintura, apoiando o cotovelo direito sobre o peitoril da janela. Debruçou o rosto na palma da mão, os cabelos lisos caíram sobre o rosto. para afastá-los, ela levantou a cabeça, e então viu o céu tão claro que não era o céu normal de Sampa, com uma lua quase cheia e Júpiter e Saturno muito próximos. Vista assim parecia não uma moça vivendo, mas pintada em aquarela, estatizada feito estivesse muito calma, e até estava, só não sentia mais nada, fazia tempo. Quem sabe porque não evidenciava nenhum risco parada assim, meio remota, o moço das calças brancas veio se aproximando sem que ela percebesse.

Parado ao lado dela, vistos de dentro, os dois pintados em aquarela - mas vistos de fora, das janelas dos carros procurando bares na avenida, sombras chinesas recortadas contra a luz vermelha.

E de repente o rock barulhento parou e a voz de John Lennon cantou every dau, every way is getting better and better. Na cabeça dela soaram cinco tiros. Os olhos subitamente endurecidos da moça voltaram-se para dentro, esbarrando nos olhos subitamente endurecidos dos moço. As memórias que cada um guardava, e eram tantas, transpareceram tão nitidamente nos olhos que ela imediatamente entendeu quando ele a tocou no ombro.

-Você gosta de estrelas?
-Gosto. Você também?
-Também. Você está olhando a lua?
-Quase cheia. Em Virgem.
-Amanhã faz conjunção com Júpiter.
-Com Saturno também.
-Isso é bom?
-Eu não sei. Deve ser.
-É sim. Bom encontrar você.
-Também acho.

(Silêncio)

-Você gosta de Júpiter?
-Gosto. Na verdade “desejaria viver em Júpiter onde as almas são puras e a transa é outra”.
-Que é isso?
-Um poema de um menino que vai morrer.
-Como é que você sabe?
-Em fevereiro, ele vai se matar em fevereiro.

(Silêncio)

-Você tem um cigarro?
-Estou tentando parar de fumar.
-Eu também. Mas queria uma coisa nas mãos agora.
-Você tem uma coisa nas mãos agora.
-Eu?
-Eu.

(Silêncio)

-Como é que você sabe?
-O quê?
-Que o menino vai se matar.
-Sei de muitas coisas. Algumas nem aconteceram ainda.
-Eu não sei nada.
-Te ensino a saber, não a sentir. Não sinto nada, já faz tempo.
-Eu só sinto, mas não sei o que sinto. Quando sei, não compreendo.
-Ninguém compreende.
-Às vezes sim. Eu te ensino.
-Difícil, morri em dezembro. Com cinco tiros nas costas. Você também.
-Também, depois saí do corpo. Você já saiu do corpo?

(Silêncio)

-Você tomou alguma coisa?
-O quê?
-Cocaína, morfina, codeína, mescalina, heroína, estenamina, psilocibina, metedrina.
-Não tomei nada. Não tomo mais nada.
-Nem eu. Já tomei tudo.
-Tudo?
-Cogumelos têm parte com o diabo.
-O ópio aperfeiçoa o real
-Agora quero ficar limpa. De corpo, de alma. Não quero sair do corpo.

(Silêncio)

-Acho que estou voltando. Usava saias coloridas, flores nos cabelos.
-Minha trança chegava até a cintura. As pulseiras cobriam os braços.
-Alguma coisa se perdeu.
-Onde fomos? Onde ficamos?
-Alguma coisa se encontrou.
-E aqueles guizos?
-E aquelas fitas?
-O sol já foi embora.
-A estrada escureceu.
-Mas navegamos.
-Sim. Onde está o Norte?
-Localiza o Cruzeiro do Sul. Depois caminha na direção oposta.

(Silêncio)

-Você é de Virgem?
-Sou. E você, de Capricórnio?
-Sou. Eu sabia.
-Eu sabia também.
-Combinamos: terra.
-Sim. Combinamos.

(Silêncio)

-Amanhã vou embora para Paris.
-Amanhã vou embora para Natal.
-Eu te mando um cartão de lá.
-Eu te mando um cartão de lá.
-No meu cartão vai ter uma pedra suspensa sobre o mar.
-No meu não vai ter pedra, só mar. E uma palmeira debruçada.

(Silêncio)

-Vou tomar chá de ayahuasca e ver você egípcia. Parada do meu lado, olhando de perfil.
-Vou tomar chá de datura e ver você tuaregue. Perdido no deserto, ofuscado pelo sol.
-Vamos nos ver?
-No teu chá. No meu chá.

(Silêncio)

-Quando a noite chegar cedo e a neve cobrir as ruas, ficarei o dia inteiro na cama pensando em dormir com você.
-Quando estiver muito quente, me dará uma moleza de balançar devagarinho na rede pensando em dormir com você.
-Vou te escrever carta e não te mandar.
-Vou tentar recompor teu rosto sem conseguir.
-Vou ver Júpiter e me lembrar de você.
-Vou ver Saturno e me lembrar de você.
-Daqui a vinte anos voltarão a se encontrar.
-O tempo não existe.
-O tempo existe, sim, e devora.
-Vou procurar teu cheiro no corpo de outra mulher. Sem encontrar, porque terei esquecido. Alfazema?
-Alecrim. Quando eu olhar a noite enorme do Equador, pensarei se tudo isso foi um encontro ou uma despedida.
-E que uma palavra ou um gesto, seu ou meu, seria suficiente para modificar nossos roteiros.

(Silêncio)

-Mas não seria natural.
-Natural é as pessoas se encontrarem e se perderem.
-Natural é encontrar. Natural é perder.
-Linhas paralelas se encontram no infinito.
-O infinito não acaba. O infinito é nunca.
-Ou sempre.

(Silêncio)

-Tudo isso é muito abstrato. Está tocando “Kiss, kiss, kiss”. Por que você não me convida para dormirmos juntos.
-Você quer dormir comigo?
-Não.
-Porque não é preciso?
-Porque não é preciso.

(Silêncio)

-Me beija.
-Te beijo.

Foi a última pessoa que viu ao sair. Tão bonita que ele baixou os olhos, sem saber sabendo que ela também o tinha visto. Desceu pelo elevador, a chave do carro na mão. Rodou a chave entre os dedos, depois mordeu leve a ponta metálica, amarga. Os olhos fixos nos andares que passavam, sem prestar atenção nos outros que assoavam narizes ou pingavam colírios. Devagarinho, conquistou o espaço junto à porta. Os ruídos coados de festas e comandos da madrugada nos outros apartamentos, festas pelas frestas, riu sozinho. Ria sozinho quase sempre, um moço queimado de sol, com a barra branca das calças descosturadas, querendo controlar a própria loucura, discretamente infeliz.

Mordeu a unha junto com a chave, lembrando dela, uma moça magra de cabelos lisos junto à janela. Baixou outra vez os olhos, embora magro também. E suspirou soltando os ombros, pés inseguros comprimindo o piso instável do elevador. Só porque era sábado, porque estava indo embora, porque as malas restavam sem fazer e o telefone tocava sem parar. Sorriu olhando em volta.

Não que estivesse triste, só não compreendia o que estava sentindo.

Levemente, para não chamar a atenção de ninguém, apertou os dedos da mão direita na porta aberta do elevador e atravessou o saguão de lado, saindo para a rua. Apoiou-se no poste da esquina, o vento esvoaçando os cabelos, e para evitá-lo ele então levantou a cabeça e viu o céu. Um céu tão claro que não era o céu normal de Sampa, com uma lua quase cheia e Júpiter e Saturno muito próximos. Visto assim parecia não um moço vivendo, mas pintado num óleo de Gregório Gruber, tão nítido estava ressaltado contra o fundo da avenida, e assim estava, mas sem compreender, fazia tempo. Quem sabe porque não evidenciava nenhum risco, a moça debruçou-sena janela lá em cima e gritou alguma coisa que ele não chegou a ouvir. Parado longe dela, a moça visível apenas da cintura para cima parecia um fantoche de luva, manipulado por alguém escondido, o moço no poste agitando a cabeça, uma marionete de fios, manipulada por alguém escondido.

De repente um carro freou atrás dele, o rádio gritando “se Deus quiser, um dia acabo voando”. Na cabeça dele soaram cinco tiros. De onde estava, não conseguiria ver os olhos da moça. De onde estava, a moça não conseguiria ver os olhos dele. Mas as memórias de cada um eram tantas que ela imediatamente entendeu e aceitou, desaparecendo da janela no exato instante em que ele atravessou a avenida sem olhar para trás.

(Caio Fernando Abreu)

--- 1 week ago --- ---


(Source: tigerinsleep)

--- 1 week ago --- 150,019 notes ---

nessa cidade, que não é um corpo, 
acumulo ruas e trafego em círculos.
nesse corpo, que  é só um lugar,
acumulo sensações e caminho
através de experiências ressurgidas.
nas esquinas, esqueço pensamentos
perco ideias e nomes conhecidos 
sopro cinzas e trago e cuspo fogo 
sorrindo para o novo, sem gravar
ruas, placas, ganhos, perdas.
se perder sem jogar, se jogar 
sem que haja planos, meios 
e fins para buscar felicidade
nos confins da dor.

(Source: )

--- 1 week ago --- 147 notes ---


(Source: coolboysinleather)

--- 1 week ago --- 1,783 notes ---


(Source: 060291)

--- 2 weeks ago --- 86,861 notes ---

Eu imprimi o seu vocabulário e culpo a minha desorganização por não saber onde guardei as iniciativas de adeus. Eu sei que foram muitas. Tantas vezes eu ouvi o teu coração enfraquecendo sem saber que em algum lugar eu te perdia. Tantas vezes me disseram que o amor se faz por linhas tortas e eu pus nossas esperanças pra secar em varais paralelos. As luzes que entram pelas frestas da janela me mostram um mundo pequeno. A felicidade é do tamanho de uma simples pausa pra chorar. Só não sei se a Terra encolheu ou se a existência de um homem consegue se reduzir nessa patifaria medíocre. Eu sou o que afoga na areia a tua lembrança… E a minha alma, por dedução, é um deserto. Tenho em meu peito um cemitério de palavras bonitas que pela tua boca eu não vi brotar. E se da sua tua saliva não vem o meu oásis, elas coagulam e formam uma crosta de silêncio, e o silêncio não é de nossos olhares tímidos e de nossos beijos cansados, nossas mãos entrelaçadas e nossos apelos pelo corpo um do outro. No meio do oceano de repulsas em que me vi metido, seu coração era a esquina do infinito. O apocalipse, por que não dizer? O fim dos tempos de espera e de sofrimento. O fim da espera pelo nome de alguém que não fugisse de mim e que me permitisse naufragar, que me permitisse sentir medo da terra firme, porque tudo o que eu toco se transforma em pedra, e as pedras no meu bolso me afogam ainda mais. Eu tive medo de ser salvo, confesso. Acostumei a nadar. Seu amor era a minha cartografia. Com o tempo, eu sei, essa saudade ameniza. 360º de solidão. Eu espero um motivo de regresso, e não encontro. Não sei se é desespero ou se toda a nossa história foi uma falha. Prefiro acreditar que a falta é o que me cega e o buraco que você fez nos meus olhos é passageiro. Não consigo acreditar que te deixei pra depois. Mas eu sei que as dores foram ainda maiores. Que a carne se rasgou ainda mais fácil quando nos entregamos ao amor sem boas maneiras. Sexo frio e frágil, homem e mulher na mesma condição: ser humano com passado é bicho doente e sem cura. Eu lembro do seu vazio trêmulo e das suas pernas quase desistentes, e as lágrimas faziam uma pintura bonita no seu rosto. A dor era tua obra prima. E me encontrei nesses teus pedaços soltos, juntando, ao meu ver, minhas próprias angústias. Misturamos nossos frascos de veneno. Morremos um no lugar do outro, mas morremos. Você disse que eu poderia ir embora, caso não aguentasse o peso e a melancolia. Não vou. Eu posso, mas não vou. E você sabe que é essa a fraqueza que mais dói porque eu também sei que você nunca saiu de mim.

Cinzentos

--- 2 weeks ago --- ---


Eu Te Amo by Chico Buarque

--- 2 weeks ago --- --- 0 plays ---

B&W Fashion

B&W Fashion

(Source: ahasteen)

--- 4 weeks ago --- 74,150 notes ---